Modalidades de Atendimento Psicológico

terapeutas

Terapia Breve

Atua de modo imediato e preciso na alteração de comportamentos problemáticos em situações de crise e emergências.

Atua na recuperação rápida e pontual de traumas, medos, bloqueios e momentos de crise.

O foco da intervenção é o restabelecimento do cliente aos patamares aceitáveis de interação social. Não se faz a análise dos sintomas e nem a identificação minuciosa das causas dos comportamentos. Isso implica na recuperação rápida, porém não garante durabilidade dos efeitos a médio e longo prazos, o que deve ser obtido com a terapia convencional.


Psicoterapia Funcional

Amplia o vínculo e a proximidade afetiva com o cliente, a fim de trabalhar aspectos mais profundos e íntimos da interação social.

Não visa ganhos rápidos – como na terapia breve – mas o autoconhecimento, o crescimento pessoal e durabilidade das mudança no médio e longo prazos.

Analisa as causas dos sintomas e a ajuda desenvolver comportamentos compensatórios, afim de reduzir, ou eliminar, de maneira duradoura, os prolemas comportamentais tratados.


Orientação Psicológica

Indicado para pais, educadores, jovens e adultos passando por dificuldades nos relacionamentos, conflitos emocionais, crises existenciais, profissionais, ou que simplesmente busquem entendimento não tendencioso sobre si mesmo.

Tem função psicoeducativa e ajuda o cliente a perceber os mecanismos de controle do seu próprio comportamentos. Ajuda a compreender o caminho a ser percorrido para a enfrentar as dificuldades.


Hipnose Clínica

Procedimento aplicado na Terapia Breve, modifica sensações e percepções por meio de estímulos verbais controladores. O procedimento deixa o cliente mais sensível às sugestões do terapeuta sobrepondo-se aos estímulos do ambiente físico e social.

O controle exercido pela hipnose é restrito à situação clínica. O efeito pode desvanecer com o término da aplicação caso não seja feita a análise funcional dos comportamentos.

A hipnose não é terapia, mas procedimento de intervenção em Terapia Breve, podendo ser usada como coadjuvante ao tratamento convencional.

É muito eficiente na Terapia Breve. Pode-se traçar comparativo entre as terapias – segundo pesquisa de Barrios (1970), a comparação do número médio de sessões para obtenção de resultados no tratamento, foi a seguinte:

  • Psicanálise: 11 anos e meio – 600 sessões 38%
  • Terapia Comportamental: 6 meses – 22 sessões 72%
  • Hipnoterapia e Terapia Comportamental: 1 mês e meio – 6 sessões 93%

A intervenções psicológicas devem ser realizadas a partir de Avaliação Funcional detalhada, salvo nos casos emergenciais. O uso de intervenções avulsas pode dar sensação de melhora momentânea, mas não garantem durabilidade, podendo encobrir sintomas. É necessário a realização de análise funcional, a fim de se obter mudanças duradouras.

Referências

Barrios, Alfred A. Hipnoterapia: uma reavaliação (Hypnotherapy: a reappraisal, 1970).
Kohlenberg; Kanter; Bolling; Parker;Tsai. (2002). Enhancing cognitive therapy for depression with functional analytic psychotherapy: Treatment guidelines and empirical findings. Cognitive and Behavioral Practice. V. 9, Issue 3, 213–229.