ATENDIMENTO


 Atendimento Telefônico 08:00 às 11:00 e das 15 às 19:00

 (85) - 3016.9680

Secretária Sra. Elisângela


(85) 99660.0342

Psicólogo Leon Vasconcelos


Clínica Ativa Saúde

Rua Monsenhor Bruno, 2445

Próximo a Otoclínica


Atendimento Particular

Público: Adolescentes e Adultos


Consulta Inicial

Investimento : R$ 200


 Horários

Necessita Confirmação Prévia:

Segundas: Tarde | Noite - Semanal

Segundas: Tarde | Noite - Quinzenal

Quintas: Tarde - Semanal


 Atendimento Telefônico

08:00 às 11:00 e as 15 às 19:00

 (85) - 3016.9680

Secretária Sra. Elisângela


(85) 99660.0342

Psicólogo Leon Vasconcelos


Psicoterapia

Psicoterapia

É uma modalidade de atendimento que ajuda o paciente a ampliar o conhecimento de si mesmo e realizar mudanças nas suas emoções e comportamentos.

"O auto-conhecimento tem um valor especial para o próprio indivíduo. Uma pessoa que se ‘tornou consciente de si mesma’, por meio de perguntas que lhe foram feitas, está em melhor posição de prever e controlar seu próprio comportamento." (Skinner, 1974, p.31)

Como Funciona

As consultas são realizadas em sessões de 45 minutos, geralmente, uma vez por semana. Durante a consulta é iniciada a entrevista clínica - anamnese -  que visa obter dados para a compreensão dos sinais, sintomas e demandas do paciente.

Na consulta inicial é esclarecido sobre a importância do compromisso do cliente, destacando que o trabalho do terapeuta não é julgar as ações, ou comandar as escolhas do paciente, senão, ajudá-lo a identificar os padrões controladores do seu próprio comportamento, realizar interpretações comportamentais, e apoiar as mudanças de comportamentos e melhoria na qualidade de vida.

Critérios

O profissional busca realizar a identificação funcional dos comportamentos, sentimentos e valores do cliente, e o ajuda a perceber e a confrontar os controladores - externos e internos - dos seus comportamentos. É importante a sensibilidade e a experiência para perceber e ajudar o cliente na correta identificação e na modificação dos comportamentos.

Psicoterapia Breve

Psicoterapia Breve

É um modelo de tratamento com foco nas intervenções, visando o alívio rápido dos sintomas e o restabelecimento do cliente. As Psicoterapias Breves foram implementadas nos Estados Unidos, após as Guerra do Vietnã, para tratar grande demanda de neuroses de guerra. Essa linha terapêutica é baseada na medicina paliativa.

Indicações da P.B.

Indicada nos tratamentos paliativos, por exemplo, usada em clínicas e hospitais para controlar a sensibilidade a estimulações aversivas - dor, sofrimento - inerente a exames e tratamentos médicos variados, tais como: exame de sangue, tomografias e ressonâncias, punções, hemodiálise, tratamento de fraturas e queimaduras, tratamentos de câncer, tratamentos dentários, perdas e lutos, doenças degenerativas, pacientes terminais, e nos demais casos que exijam intervenções pontuais.

Limites

Os procedimentos de hipnose e as técnicas regressivas, ou de restruturação cognitiva, devem usadas apenas situações clínicas que exijam tratamento paliativo, pontual.

Entenda as Diferenças

Entendenda as Diferenças

As Psicoterapias Breves são estruturadas como um conjunto de técnicas e intervenções usadas para o alívio rápido dos sintomas. Por terem sido desenvolvidas com este propósito, estender o prazo de aplicação delas não vai torná-la uma Psicoterapia Não Breve.

A brevidade aqui se refere ao propósito, e não ao tempo de tratamento. Caso o tratamento não seja o adequado, a Terapia Breve pode ser estendida por vários meses, mas isso não oferece avanços relevantes no tratamento.

Por outro lado, a Psicoterapia Não Breve pode mostrar resultados em poucas sessões, ainda que o alívio rápido dos sintomas não seja o foco do tratamento.

A Psicoterapia Não Breve foi desenvolvida para ser minuciosa e investigativa, analisando a função dos comportamento produtores dos sintomas e ajudar o cliente a perceber e a mudar essas condições. Ela atua nos eventos atuais e intervém no contexto promovedor dos conflitos, e não age sobre o sintoma isoladamente.

O terapeuta breve fica sob controle de demonstrar resultados rápidos, embora esses possam ser meramente paliativos. Já o terapeuta não breve, busca aprofundar o autoconhecimento do cliente para que ele seja capaz de identificar e de realizar mudanças duradouras nos comportamentos disfuncionais.

Devido as nossos características culturais, é comum, tanto para o profissionais em formação, quanto para os clientes, a oferta de soluções rápidas - cursos de formação em técnicas para alívio dos sintomas e promessas de terapia rápidas e curativas. Porém, essa é uma lógica enganadora, a mesma usada no mercado econômico que vende uma série de "produtos da felicidade".

A terapia não é como ir a um SPA. A terapia é um processo, muitas vezes, doloroso para o cliente e extenuante para o terapeuta. Não é um produto de massa em que o profissional bate fotos com o cliente para expor nas redes sociais, usando o suposto relato de melhora para atrair outros clientes.

Somos profissionais que lidamos com os detalhes mais delicados e íntimos das relações humanas e afetivas. Trabalhamos com discrição, e não com exposição; trabalhamos com pessoas de maneira qualitativa, e não com público e quantidades. A terapia é, portanto, algo bem diferente do que é costumeiramente vendido como "o caminho da felicidade".

Paradoxalmente, muitas vezes, trabalhamos com transtornos resultantes do seguimento dessas promessas ilusórias de felicidade, conduzidos por um caminho de escolhas inautênticas e decepções tardias.

Provérbio

"É preferível praticar o bem, a prometê-lo" 

Hipnose e Psicoterapia

Hipnose e Psicoterapia

A hipnoterapia é a associação de técnicas de manejo hipnótico do comportamento com uma abordagem psicoterapêutica. Ela é útil nas psicoterapia breves e nos atendimentos emergenciais. Na psicoterapia convencional – com foco nas mudanças duradouras de comportamentos  - o uso da hipnose é mais restrito. Como dito, ela é uma técnica de intervenção, e não uma abordagem clínica para a investigação e a análise dos comportamentos.

Vantagens

Em pesquisa comparando a eficácia de várias psicoterapias breves, Barrios (1970) concluiu que a hipnoterapia teve a maior taxa de recuperação no curto prazo (Com declínio substancial nos próximos três meses, fator de diferenciação para com as Psicoterapias não breves que mantém a durabilidade, transcorrido quatro anos).

Psicanálise: 38% de recuperação, após 600 sessões (11anos e meio);
Terapia Comportamental: 72% de recuperação, após 22 sessões (6 meses); ­
Hipnoterapia: 93% de recuperação, após 6 sessões (1 mês e meio).

A redução dos sintomas relatada pelos clientes como sensações de melhora, bem estar e cura, pode ser momentânea. Por isso, é importante o  aprofundamento na análise dos comportamentos e não apenas a aplicação de uma técnica para remoção dos sintomas.

Filho adolescente depressão.

O meu filho tem 15 anos e o psiquiatra prescreveu medicamento para depressão. Posso leva- lo para terapia e evitar que tome remédios. Quanto tempo dura o tratamento?

Boa Tarde.

Em alguns casos a medicação é necessária, em outros não. Isso é um assunto para ser avaliado com a evolução do tratamento e discutido com a família, psiquiatra e psicólogo.

O objetivo de médio e longo prazo da psicoterapia é a recuperação sem a necessidade de medicamentos. Acontece com freqüência nos tratamentos de transtorno do pânico, manias e ansiedade generalizada, por exemplo. No entanto, isso não é regra, há casos mais complexos que oferecem baixa resposta de recuperação, havendo necessidade de medicação prolongada.

Não podemos precisar a duração de cada tratamento sem avaliação prévia, pois todo caso é diferente, até mesmo quando os sintomas são aparentemente semelhantes. Para mudanças consistentes é necessário analisar as causas e promover novos comportamentos adaptativos.

Atenciosamente,

Leon Vasconcelos

Porque nao aceitamos convenio

Os convênios pagam valores muito baixos, priorizando a quantidade e não a qualidade do atendimento. Não teríamos como prestar bons serviços atendendo demanda alta de clientes.
Para se ter uma ideia, há planos que pagam dez reais por sessão de atendimento. Atender por plano não é fazer "serviço social", é uma situação de exploração de algumas empresas sobre os profissionais da saúde. Há várias Instituições sem vínculos aos planos que oferecem serviços psicológicos de baixo custo. (Como o Instituo Raízes)

Na psicoterapia, o profissional não usa medicação, exercícios, aparelhos, ou mesmo instruções (não é um trabalho de aconselhamento). A relação terapêutica é a ferramenta de trabalho do terapeuta que o conduz ao estabelecimento de uma relação de intimidade afetiva delicada. As vezes, produz sentimentos de revolta, tristeza, angústia, medo, que expõe a intimidade do cliente e mexe afetivamente com o terapeuta. O terapeuta deve estar preparado para lidar com isso, de modo diferenciado do que as pessoas costumam fazer.

É um trabalho delicado, desgastante, exige aprofundamento em cada história de vida, acesso aos detalhes particulares, segredos, decepções, assuntos emocionais. Toda essas informações precisam ser lembradas pelo terapeuta, analisadas, testadas, relacionadas aos contextos e pessoas, para que ajude o cliente a decifrar a si mesmo e a modificar sua maneira e agir.

Infelizmente, não temos como fazer isso atendendo grande demandas. É muito desgastante para o terapeuta ficar muitas horas concentrado, atento aos detalhes das narrativas tentando observar os padrões do comportamento e correlacioná-los com as demandas do cliente.

Por isso optamos oferecer atendimento diferenciado, sem filas, sem aperreios e com tempo suficiente para estudar cada caso. Essa opção possui melhor custo-benefício, uma vez que reduz significativamente o tempo total da terapia.

Atenciosamente.
LeonVasconcelos

O Dr Leon faz tratamento de Mal de Parkinson com hipnose?

Boa tarde.

Caro, A.
Na literatura científica há pouquíssimos trabalhos clínicos evidenciando melhoria do Mal de Parkinson, após sessões de hipnose.

Ao se fazer uma avaliação mais criteriosa dos métodos utilizados nos trabalhos, pode-se perceber que houve pouco controle experimental e a maneira de constatação da melhora não foi rigorosa, o que pode dar margens para erros.

Portanto, há indicações de que a hipnose pode melhorar os sintomas do Parkinson. Porém, não é possível afirmar com segurança, devido a pouca e baixa qualidade dos estudos publicados.

Já atendemos pessoas com demências que apresentaram melhoria geral na qualidade de vida, mas ainda não tratamos pacientes com Parkinson, por enquanto.

Atenciosamente,
Leon Vasconcelos

Tratamento do Panico

"Uma amiga que tinha pânico e foi tratada pelo dr Leon me indicou o tratamento. Gostaria de saber se é feito com hipnose e quanto tempo dura"

Boa tarde, F.
O tratamento do Transtorno do Pânico e dos demais Transtornos de Ansiedade é feito com a identificação das classes comportamentos relacionadas às crises de ansiedade. São esses comportamentos que mantém as crises ativas.

Uma vez identificados os comportamentos (geralmente são cadeias comportamentais complexas), traçamos metas terapêuticas com a finalidade de tratar as causas e evitar recidivas, no futuro.

A hipnose é optativa, não se faz necessária a sua utilização. Ela é mais usada em situações de emergência, trazendo alívio imediato, porém ela não serve para investigar os estímulos mantenedores do pânico - que são específicos para cada pessoa.

Atenciosamente.
Leon Vasconcelos

Sindrome do colo irritavel

"Ola. Existe tratamento da Sidrome do colo irritavel. Um amigo da faculdade disse que pode ser curada com hipnose."

Olá S.

A Síndrome do Intestino Irritável - SII é tratável, mas não utilizamos o termo "cura". Não é necessário usar a hipnose, na verdade, a hipnose promove o alívio rápido, mas logo que termina a aplicação o resultado tente a desvanecer. Ou seja, é um efeito apresentado enquanto o cliente está sob efeito do vínculo com o terapeuta. É necessário identificar os causadores no contexto de vida do cliente.

A análise do comportamento ajudar a identificar as funções dos comportamentos e estabelecer metas adaptativas que, uma vez estabelecidos, enfraquecem e extinguem as respostas que mantém os sintomas.

Portanto o tratamento é progressivo, nunca imediato. Exige a promoção do autoconhecimento e o desenvolvimento de novas classes de comportamentos. Esses novos comportamento funcionam como uma espécie de "bloqueio das respostas fortalecedoras dos sintomas da SII", que aconteciam antes do tratamento.

Tratamento sem hipnose e com hipnose

O médico disse que tenho ansiedade generalizada e que preciso tomar remédios ou fazer terapia. Li na internet que a hipnose pode tratar isso. Como é feito? Obrigada.

Prezada S.

Muitas pessoas chegam ao nosso website por causa da hipnose, pois fui um dos pioneiros da pesquisa sobre hipnose na saúde coletiva, utilizando-a desde 1999.

Justamente por isso, é importante destacar a existência de muitas promessas descabidas de aventureiros impressionados com a hipnose, e atribuindo a ela feitos mirabolantes.

Primeiro ponto, a hipnose não é uma terapia, nem oferece tratamento isolado, a não ser em situações emergenciais. O seu uso necessita de uma abordagem investigativa e comportamental.

Há uma "regra de ouro" muito difundida nos USA, em tradução livre diz o seguinte: "Quem não sabe tratar sem hipnose, não o saberá tratar com hipnose".

Quando a hipnose é usada de modo restrito em procedimentos clínicos e hospitalares, é possível, com o mínimo de treinamento, aplicar a técnica para diminuir dor, medo e ansiedade, frente aos estímulos do momento. Mas quando o assunto é tratamento comportamental, a história é outra.

Cabe ao psicoterapeuta experiente ajudar o cliente a desenvolver e modificar os comportamentos. Ajudando na identificação de padrões comportamentais, realizando interpretações funcionais e atuando sobre o ambiente produtor da ansiedade.

A aplicação de técnica, unicamente -  seja hipnose, restruturação cognitiva, relaxamento, pnl, entre outras - é uma instrução, ou comando - implícito, ou explícito (faça dessa maneira, siga esses passos) do terapeuta. Isso implica ficar na dependência de como se deve agir, fazer, ou pensar. Tal procedimento não trás autonomia ao cliente, na verdade, pode criar uma relação de maior dependência.

Portanto a técnica pode, sim, produzir uma mudança rápida, mas é limitada. Caberá a você se comportar de acordo com as sugestões (controle por regras) e isso acontece enquanto estiver sob influência da relação com o terapeuta/hipnólogo.

Na terapia normal (sem ser unicamente aplicação de técnicas), você adquire confiança, desenvolve autoconhecimento e descobre exatamente o que fazer nas novas situações, quando essas aparecerem à sua frente. Isso porque você passará a se conhecer melhor. Não será governada por regras do terapeuta, vai desenvolverá a sua própria autonomia. Demora um pouco mais para reduzir os sintomas, mas uma vez tratados, eles não retornam.

A eficiência dessa modalidade terapêutica é maior, porém cada caso deve ser avaliado.

Atenciosamente,
Leon Vasconcelos

Estudo e Concurso

Boa tarde dr leon. Queria saber se faz tratamento para a memória. Estudo para concursos e ultimamente estou achando que não consigo mais estudar direito e nem lembrar das coisas estudadas.

Boa Tarde, R.

Temos que avaliar não só o seu estudo, mais tudo que está se passando na sua vida, nesse momento. Há duas opções de intervenção que podem ser pensadas:
A primeira é uma terapia breve com objetivo de ajudá-lo a permanecer sobre controle do comportamento de estudar. Podemos fazer isso se o concurso estiver muito próximo. A segunda, e mais eficiente, consiste em descobrir a função do comportamento e ajudá-lo a desenvolver novo repertório para superar o problema.

Já atendi um jovem médico, estudante de cursinho para residência, que se queixava de sonolência e perda de atenção. Após avaliação funcional, descobrimos três coisas afetando os seus estudos, e uma delas dizia respeito ao comportamento alimentar. Ele estava comendo uma dieta rica em carboidrato entres os intervalos e isso aumentava sua sonolência. Portanto, temos que avaliar tudo detalhadamente, até mesmo horários, alimentação, estímulos concorrentes, etc.

Abraço,
Leon Vasc.

Terapia Cognitiva

Olá doutor Leon. O meu tio disse que leu uma matéria do senhor sobre terapia cognitiva, Queria saber se o senhor faz tratamento para fobia social. Obrigado.

Boa Tarde, R.

Trabalhei muitos anos com terapia cognitiva comportamental (TCC) e o seu tio deve ter lido um dos meus antigos artigos do site.  Por favor, telefone para a nossa secretária e veja os horários disponíveis para atendimento.

Precisamentos fazer uma entrevista e avaliar os níveis de dificuldade do que você chama de "fobia social". Cada pessoa é especialmente única e a terapia é feita sob medida para cada cliente.

Atenciosamente,
L.V.

Tricotilomania - Arrancar Cabelos

Boa tarde.
Por favor doutor, estou com mania de arrancar meus cabelos e agora tá ficando mais grave, o seu pode me tratar disso? Não sei mais o que fazer, já vi vários blog e videos da internet, mas nada funcionou e tá ficando pior. Obrigada.

Olá M. T.

Esse transtorno se chama "Tricotilomania". Ele, geralmente, está relacionado com alta ansiedade e dificuldade em expressar os próprios sentimentos assertivamente. Não há uma causa única, são vários fatores que contribuem para o desenvolvimento do transtorno. É necessário fazer psicoterapia para saber o que está excessivo e o que está ausente no seu comportamento.  Ajudamos você a perceber essas situações e a planejar estratégias de enfrentamento no seu ambiente social e afetivo.
A psicoterapia é o tratamento mais eficiente para mudar os comportamentos de maneira duradoura e proporcionar mais autonomia. Há também várias técnicas comportamentais e tratamento farmacológico que podem aliviar os sintomas no curto prazo, mas não garantem durabilidade no longo prazo. É fundamental que façamos o trabalho de análise funcional do comportamento.

Um abraço.
Leon Vasconcelos

Medo Social

Doutor estou apavorada, pois terei que apresentar minha TCC para uma banca na faculdade. É só daqui dois anos, mas só em saber disso já fico nervosa. O que faço?

Prezada J.

Voce pode ter o que chamamos de medo ou fobia social. Já conheci algumas pessoas que foram no psiquiatra e conseguiram apresentar a TCC sob efeito de forte medicação tranquilizante. Essa é uma saída pontual. Porém, não vai te prover comportamentos funcionais que ajudem a superar a situação de maneira duradoura. Isso nós conseguimos com a terapia. Nós te ajudamos a analisar o seu comportamento e a ir modificando progressivamente o que esta errado, ate você superar o problema.

Atenciosamente.
Leon Vasc

 

Apagar Memória por Hipnose

Descobri uma traição do meu marido com uma das minhas melhores amigas. Estou arrasada. Gostaria de saber se é possível apagar essa memória com hipnose, pois me sinto mal só em pensar nisso.

Olá. C.

Imagine só, se isso fosse possível a hipnose seria um procedimento muito perigoso, talvez restrita ao exército e guardada a sete chaves. Infelizmente, não é "apagando uma decepção da sua memória" que você vai apagar o acontecimento.

A maioria das questões trazidas para a psicoterapia são tão dolorosas quanto a sua. Porém, fazer terapia te possibilita aprender mais sobre você mesma, sobre seus valores, seus medos e limites e suas novas possibilidades. Certamente, você estará mais preparada para enfrentar situações difíceis como essa, sem se sentir tão humilhada e impotente. Descobrirá o que fazer e como agir para evitar essas situação e estará mais segura de si mesma.

Abraço,
Le.Vasc.

 

 

Vicio Maconha - Tratamento

Gostaria de saber se maconha vicia ou não. Já vi algumas pessoas dizendo que não vicia, mas conheço algumas pessoas que parecem estar viciadas. Obrigada.

Prezada C. R.

Há um pesamento comum, porém ultrapassado, de se deter somente na propriedade da substância e menos nas circunstancias e na frequencia do seu uso. Qualquer coisa associada a estimulação, ou inibição das emoções-sensações, pode viciar. Não precisa nem mesmo possuir "princípio ativo", como é o caso dos jogos, das atividades físicas excessivas e até do sexo (há vício em sexo).

As substâncias como cafeína, maconha, álcool, nicotina, analgésicos, estimulantes sexuais, entre outras - por estimularem ou inibirem emoções e sensações - acabam por fortalecer a associação da substância com comportamentos prazerosos, ou inibidores de sofrimento e isso é uma ação comportamental que potencializa o vício.

No ano de 2015, atendi cinco pessoas com dependência de maconha, o interessante que quatro delas eram adultas, na faixa de 30 a 50 anos, casadas, profissionalmente estáveis, e que só se deram conta da dependência quando decidiram tentar parar.

É comum a crença de que fumar ajuda a diminuir o estresse, ou combater a insônia. Mas depois que tentam parar, notam que a insônia é devido ao próprio efeito da abstinência da substância maconha.

Portanto, não devemos pensar o vício como causado por uma propriedade da droga, mas como uma tríade de interação da substância, o usuário e suas emoções, e o contexto comportamental - promovedor ou inibidor das associações. O uso da droga, as circunstancia e a frequência, são variáveis derivadas do contexto anterior de aprendizagem, não apenas do efeito químico.

Leon Vasconcelos
psicólogo clínico

Reversão da Sexualidade

Boa dia doutor Leon. Gostaria de saber se é possível reverter a sexualidade de uma pessoa com a hipnose.

 

Olá R.M.

Acho que você deve estar se referindo a orientação sexual, uma pessoa gay ser "revertida" para hetero. Se isso fosse possível, também seria possível tornar um hetero em gay, pois seguiria a mesma lógica.

Essa "reversão" não é possível, pois a sexualidade é um dos comportamentos mais complexos dos seres humanos. Atribuir à hipnose, ou a qualquer outra técnica, esse poder seria puro charlanismo e também ignorância da complexidade da sexualidade.

O caso mais próximos a isso - esses sim passível de mudança - é quando uma pessoa hétero tem compulsões homossexuais. Neste caso, não estaríamos tratando a escolha ou orientação sexual, mas a compulsão.

Há uma variedade de comportamentos compulsivos, como o acúmulo de objetos, de animais, compulsão por jogos, por sexo, por perigo, etc.

O compulsivo demonstra sofrimento cosiderável, após a realização dos atos, porém não consegue controlá-los. A terapia ajuda a tratar esses casos, sendo a hipnose apenas um coadjuvante no processo.

Atenciosamente
Leon Vasconcelos

Enviar Pergunta

 

Seu nome (obrigatório)

Seu e-mail (obrigatório)

Assunto

Sua mensagem